O Geoprocessamento e a Gestão Municipal

<em>Google Earth gera grande interesse e fascínio nas pessoas</em>” title=”

Google Earth gera grande interesse e fascínio nas pessoas

A disseminação das novas tecnologias relacionadas a informação espacial, correntemente veiculadas pelos meios de comunicação, indicam uma crescente popularização de novas ferramentas voltadas para o conhecimento e estudo do espaço habitado. A facilidade em observar sua cidade, seu bairro e até mesmo sua casa sob uma nova perspectiva, vista do espaço, por meio dos visualizadores de imagens, como o Google Earth, geram grande interesse e fascínio nas pessoas, ao mesmo tempo em que contribuem para a criação de uma percepção mais ampla acerca do espaço geográfico.

No entanto, ao mesmo tempo em que está tecnologia vem sendo rapidamente difundida, vem se tornando alvo de uma crescente mistificação de seu funcionamento e dos objetivos de sua aplicação, sendo comum uma compreensão equivocada de seu real objetivo prático. É preciso tornar claro para a população, de uma maneira geral, a grande capacidade instrumental que esta técnica (ou ciência?) representa para o planejamento e gestão territorial.

Quando se trata de sua aplicação na gestão e planejamento do espaço urbano, o geoprocessamento deve ser visto como uma ferramenta útil e essencial ao desenvolvimento urbano, e não como uma ferramenta de extorção e vigilância, como muitos querem fazer parecer, mesmo porque, no geoprocessamento trabalha-se com imagens estáticas que representam uma dada porção do espaço em um momento determinado, não se trata de uma câmera filmando de forma continua de modo a invadir a privacidade das pessoas em seus lares.

Na realidade, o geoprocessamento, enquanto ferramenta de apropriação do espaço, adquire grande relevância por possibilitar uma visão clara da forma da ocupação realizada em um dado espaço, como a cidade, uma qualidade de grande valia quando pensamos no planejamento e gestão do espaço. Emerge daí a grande importância do geoprocessamento na gestão das cidade.

No planejamento municipal, de uma forma geral, o geoprocessamento assume um papel de destaque, fato que pode ser verificado no planejamento e gestão do município de Taboão da Serra, onde o geoprocessamento pode ser considerado como tendo um papel estratégico, como uma ferramenta focada especificamente para o planejamento e desenvolvimento urbano, caracterizando-se por possibilitar a agregação e análise de uma grande quantidade de informações.

O geoprocessamento permite que, sobrepostas espacialmente, as informações gerem respostas rápidas e confiáveis que subsidiam a tomada de decisão nos diversos campos da gestão municipal, que vão desde o planejamento da infra-estrutura básica, dos serviços essenciais, a logístico da alocação dos equipamentos públicos, da rede escolar ou das unidades de saúde, até a delimitação de áreas públicas a serem abordadas pelos programas de regularização fundiária, em que auxilia na confrontação entre as situações real e legal do uso e ocupação do solo e fornece elementos para que os especialistas tracem a melhor estratégia para regularizar as áreas em situação irregular, ou auxiliando ainda no diagnóstico e resolução de problemas de ordem ambiental, desastres naturais, distribuição da população etc.

Neste sentido, para bom entendimento do papel do geoprocessamento em Taboão da Serra, é necessário entendimento conceitual claro do que é e quais as aplicações e limitações de tal Tecnologia:

1 – O Geoprocessamento não é um simples programa de tratamento de “fotos” de satélites, é um campo que engloba diversas técnicas, desde análise espacial até o sensoriamento remoto, e sua utilização é anterior inclusive ao uso da informática na cartografia.

Os satélites não tiram “fotos”, eles capturam imagens, muitas delas multiespectrais, onde podemos capturar informações fora da faixa de luz visível pelo homem, e em sí, as imagens de satélite fazem parte do sensoriamento remoto, umas das técnicas (ou ciência, ainda em discussão) auxiliares do Geoprocessamento. As fotografias aéreas são na verdade produto de uma outra técnica adjunta do Geoprocessamento, a fotogrametria, que captura fotografias a bordo de plataformas suborbitais (em geral aviões), as quais após retificadas ortometricamente dão origem as ortofotos, estas sim com confiabilidade de mapa e utilizada em análises urbanas.

2 – O geoprocessamento não trabalha com imagens em tempo real, isto é um mito, por menor tempo de revisita que um satélite ou voo realizado tenha, sempre existe uma defasagem temporal, e quanto maior o detalhe da imagem ou ortofoto utilizada, geralmente maior a demora do tempo de revisita. O tempo de retorno para a captura de uma imagem ou fotografia de um mesmo espaço é chamado de resolução temporal.

Outros três tipos de resolução fazem parte da análise dessas imagens: a resolução espectral, que se refere ao intervalo no espectro eletromagnético captado, usa-se essa característica por exemplo para mapeamento da temperatura da superfície terrestre; a resolução radiométrica: se refere a quantidade de níveis de cinza presentes numa imagem, por exemplo uma imagem em preto e branco possui apenas dois níveis de cinza, e quanto maior a quantidade de níveis nessa imagem, mais variações entre o preto e o branco e assim mais detalhes podem ser observados; por fim a resolução espacial: se refere ao tamanho do menos objeto que pode ser observado em determinada fotografia ou imagem, sendo assim, quanto menor o tamanho do objeto observado, maior a resolução espacial.

3 – Tem sido amplamente difundido o acesso aos dados de sensoriamento remoto e produtos advindos de geoprocessamento, especialmente os organizados e produzidos por organizações públicas e gerados sob interesse do povo, como é o caso de Taboão da Serra, no departamento de Cartografia.

4 – O Google Earth é apenas um visualizador de imagens com interface para entrada de dados sem precisão cartográfica, e a maioria de suas imagens é recente, muitas delas advindas não só do sensoriamento remoto, mas também da aerofotogrametria. O grande mérito do Google Earth é a difusão de um novo paradigma, onde as pessoas se apropriam de seu território, e isso representa uma mudança na forma como as pessoas encaram seu espaço.

De fato, o contato que as pessoas tem com informações geoespaciais a partir da internet, além de indicar um processo de migração de funcionalidades do Geoprocessamento para a web, representa uma forma de popularização da informação como um todo, associada a um movimento mais amplo.

As possibilidades de observar sua casa do espaço também é porta aberta para o entendimento e participação no planejamento da cidade, na melhor forma de aproveitar o espaço, na resolução de conflitos ambientais e principalmente representa uma via de planejamento que emana da população e não apenas em sentido inverso, do governo para a população. O Geoprocessamento é sem dúvida uma forma de participação e não de controle.

Texto:
Andreza A. Soares – Departamento de Cartografia – SEMUDUH – PMTS
Júlio César Pedrassoli – Departamento de Cartografia – SEMUDUH – PMTS

Fonte: Jornal na Net, 02/03/2010.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed.

2 Comments »

 
  • Joao Edson disse:

    Boa noite, carissimos!!!!
    Existe algum mecanismo que eu possa utilizar para realizar pesquisas via satelite ainda que não seja em tempo real, mas que me qualifique a visualizar imagens de minha região, mesmo que este sistema seja pago.

  • Prezado João, sim…… bem por alto (em suma)

    Caso o seu objetivo seja só uma análise “básica”, pode utilizar a ferramenta “Google earth”.
    Caso pretenda algo mais preciso, com licença de utilização, precisará adquirir os serviços de um profissional que faça o processamento das imagens e/ou aquisição do produto em acervo de uma revendedora de imagens.

    Entre em contato com a GEOeasy ( http://www.geoeasy.com.br ) para que o auxiliemos melhor.

 

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Subscribe: Entries | Comments

Copyright © GEOeasy – Geotecnologias & Meio Ambiente 2014 | GEOeasy – Geotecnologias & Meio Ambiente is proudly powered by WordPress and Ani World.